O “Logos” silenciado Artigo de Rafael Baptista

O “LOGOS” SILENCIADO

Escrevi, depois de rever um dos “ direito a resposta” , um pequeno artigo relativo ao tipo de comportamento exibido por indivíduos demasiado energéticos e demasiado egocêntricos para conseguirem encontrar razão no que é dito por pessoas com opiniões diferentes. Não sei se estão interessados em publicar sendo que não se enquadra muito com a vossa publicação recorrente todavia, deixo aqui para vossa apreciação.

O “Logos”silenciado

– A graça humana é consolidada pelas histórias que vão sendo contadas ao longo de um determinado período de tempo. Têm-se, no entanto, vindo a perder um pouco dessa cultura em prol de caprichos cada vez mais exigentes e parâmetros cada vez menos definidos.

 Não há razão aparente que explique este fenómeno mas é certo que o distanciamento ontológico é também e de certa forma, um distanciamento do próprio Ser em relação a tudo aquilo que o define.

 As cada vez mais rápidas inovações tecnológicas, ainda que sinónimo de progresso, agem como entrave ao subjacente desenvolvimento social e emocional dos jovens. Denoto uma certa subserviência quando se dá mais atenção à autoridade oradora do que ao “logos” subjacente ao seu discurso. Tal como o homem letrado pode não entender o que lê, a massa frenética pode admirar o carisma de uma entidade sem encontrar coerência ou lógica nos seus argumentos e, por conseguinte, identificação com o seu parecer. Deveríamos  portanto escutar com mais atenção de forma a assegurarmos uma continuidade retórica à interação humana.

Rafael Baptista